Passar para o conteúdo principal

Perguntas frequentes

  1. A quem se destina a Plataforma Autismo e Trabalho?
    Destina-se aos jovens e adultos com Perturbações do Espetro do Autismo (PEA) que procuram trabalho. Destina-se igualmente aos empresários, instituições ou outras pessoas que pretendam empregar pessoas com PEA.
     
  2. Como funciona a oferta e procura de emprego?
    Os candidatos a emprego e as empresas/instituições recrutadoras preenchem, na plataforma, uma ficha de candidatura própria. A FPDA analisa as fichas e valida a sua publicação. A ficha dos candidatos fica disponível para as empresas/instituições autorizadas. Estas contactam as associações mediadores dos candidatos. A partir deste momento as associações acompanharão todo o processo de emprego.
     
  3. O que tem que fazer o candidato a emprego antes de se inscrever na Plataforma? 
    Tem que contactar uma associação para pessoas com PEA da sua área geográfica (distrito) para ser a mediadora da sua candidatura. 
     
  4. Se não houver uma associação no seu distrito, o que faz o candidato? 
    Procura outra associação federada noutro distrito. O papel do mediador é estabelecer os contactos  entre o candidato e o empregador.
     
  5. Agora que o candidato já tem um mediador, como pode registar-se na Plataforma? 
    Terá que preencher a ficha de candidatura que está na plataforma. 
     
  6. Como preenche a ficha de candidatura?
    Começa por entrar na plataforma, acede ao “registo”, que está no canto superior direito, escolhe “registo como candidato”, preenche todos os dados que lhe são pedidos e submete. A partir deste momento a sua ficha está criada e disponível para as empresas/instituições parceiras do projeto consultarem.
     
  7. A ficha de candidatura fica visível ao público que visite a plataforma?
    Não, só a podem consultar as empresas/instituições parceiras no projeto e autorizadas pela FPDA.
     
  8. Após preencher a ficha de candidatura, o que faz o candidato a seguir?
    O candidato aguarda pelo contacto da associação responsável que o informará das empresas interessadas.
     
  9. O candidato pode contactar diretamente as empresas/instituições que oferecem emprego?
    Não, quem contacta as empresas/instituições que oferecem emprego é a associação mediadora do candidato.
     
  10. Depois de ser contactado pela sua associação a informar que tem uma empresa interessada o que faz o candidato?
    Vai com o mediador da sua associação à entrevista de trabalho.
     
  11. Que empresas/instituições podem participar neste projeto?
    Todas.
     
  12. Quais as vantagens para as empresas/instituições em contratar pessoas com deficiência?
    Consultar a plataforma do Instituto Emprego e Formação Profissional
    https://www.iefp.pt/apoios-emprego
    https://www.iefp.pt/reabilitacao-profissional
    Nesta plataforma encontrará, um conjunto integrado de medidas que visam apoiar a qualificação e o emprego das pessoas com deficiência e incapacidade que apresentam dificuldades no acesso, manutenção e progressão no emprego. 
     
  13. O que tem que fazer uma empresa/instituição para recrutar pessoas com perturbações do espetro do autismo (PEA)?
    Começa por entrar na plataforma, acede ao “registo”, que está no canto superior direito, escolhe “registo como recrutador”, preenche todos os dados que lhe são pedidos e submete. A partir deste momento a sua ficha está criada. 
     
  14. A ficha de candidatura das empresas/instituições fica visível ao público que visite a plataforma?
    Sim a ficha de candidatura fica visivel ao publico.
     
  15. Como as empresas/instituições têm acesso à lista de candidatos a emprego?
    Através da área de pesquisa onde podem consultar as fichas dos candidatos com todas as informações relevantes.
     
  16. As empresas/instituições contactam diretamente os candidatos a emprego?
    Não, nesta primeira fase contactam a instituição mediadora, cujos contactos encontram na ficha.
     
  17. As empresas/instituições recebem algum tipo de acompanhamento especializado em pessoas em PEA?
    Sim, as associações responsáveis pelos candidatos estarão sempre disponíveis a fazer este acompanhamento, prestando todos o apoio e esclarecimentos necessários.
     
  18. O que é aconselhável às empresas saberem ao contratarem o candidato?
    Aprender como interagir com uma pessoa com PEA.
    As pessoas com PEA podem ter dificuldades na interação social e na comunicação. É necessário:
    a)Falar clara e sinteticamente para que compreendam bem a tarefa que se lhes propõe.
    b)Usar outros meios de expressão complementares e/ou alternativos: desenhos, mapas, quadros. 
    c)Estabelecerem rotinas no trabalho.
    d) Dividirem o trabalho em segmentos e assegurarem-se que explicam bem a sequência do trabalho, o seu começo e o fim.
    e) Assegurar um ambiente estável de trabalho o que é igualmente útil para todos os trabalhadores.  
     
  19. O que é necessário ter presente ao contratar uma pessoa com PEA?
    Uma pessoa com perturbações do espetro do autismo é uma pessoa que tem determinadas caraterísticas pessoais como qualquer outra e além disso tem problemas  mais ou menos graves relacionados com a deficiência que o atinge. 
    Quanto melhor o empregador a conhecer, melhor será o rendimento de trabalho que ela pode ter.